Eu vs a fibromialgia: 3 maneiras de lutar contra o isolamento

Dor crônica e isolamento são problemas que andam de mãos dadas, Puja Rios revela seus três principais aliados para combatê-los

dor crônica e isolamento

por Puja Rios*

Dor crônica e isolamento andam de mãos dadas, essa é uma dura realidade. Qualquer pessoa que sofre com dor crônica sabe que precisa fazer escolhas diariamente e que tudo gira à volta da quantidade de dor e de energia que você tem a cada dia.

Para mim, é o trabalho quem leva a maior parte das minhas colheres durante a semana. Isso significa que quando o fim de semana chega, é tempo para descansar. E é justamente aí que um dos efeitos secretos da dor crônica costuma aparecer: o isolamento.

Realidade da vida social

Com o passar dos anos, a maior parte dos nossos amigos muda-se de cidade ou de estado. Para revê-los, é preciso mais planejamento e isso significa que temos de abrir mão de outras coisas. Por exemplo, encontrar com os amigos no sábado à noite significa que a sexta à noite, o dia de sábado e o domingo devem ser de descanso.

Esse tipo de planejamento rapidamente cobra seu preço. Para mim, muitas vezes não parece tentador fazer um planejamento para o fim de semana depois de uma semana inteira de compromissos. O resultado de dizer não é termos de pagar esse preço. Digo termos, no plural, porque no meu caso meu marido também acaba por ficar isolado.

Faço sempre tudo o que posso para encorajá-lo a sair sozinho, mas compreensivelmente, é difícil para ele. Ele me vê sentindo dor e tudo o que ele pensa é em estar ao meu lado e me ajudar a melhorar. Quem quer sair de casa e levar essa culpa consigo? Quem quer sair sozinho e ser constantemente questionado sobre “Onde está sua mulher?”.

Durante o verão, olho para fora e vejo as pessoas andando de bicicleta, passeando com o cachorro, aproveitando a vida e cá estamos nós, de novo dentro de casa, em mais um fim de semana de descanso. Enquanto escrevo, fazem 9ºC aqui em Chicago. Frio demais para a minha fibromialgia. O mesmo se aplica para os dias super quentes – quentes demais para a minha fibro.

Para evitar os sentimentos de isolamento e de solidão, eu tenho minhas boias salva-vidas:

  1. Escrever: Foi durante uma crise que tive a ideia de começar meu blog (confira os textos de Puja traduzidos para o português pelo Ufa! ou cheque o blog original em inglês). Eu deveria estar em uma conferência, mas sentia tanta dor que não conseguia sair nem da cama. Então resolvi fazer uma sessão de brainstorm dali mesmo. Descobri que enquanto eu escrevo, eu me distraio da dor. Para mim, escrever é uma forma de terapia alternativa. E a ideia de escrever o blog me conectou com tanta gente incrível que a última coisa que eu sinto é solidão. Você já pensou em escrever um blog? Sobre o que você poderia falar? Se blogs não fazem seu estilo, tente despertar o poeta que existe dentro de você escrevendo um poema para seu par ou escreva umas páginas de ficção tendo você como o super-herói da história.
  2. Animais de estimação: Não poderia imaginar como seria minha vida sem meu bulldog JZ. Além de ser uma fábrica de afeto, um aquecedor natural e uma fonte constante de diversão, os médicos dizem que os pets ajudam a diminuir a pressão sanguínea, controlar a ansiedade e ainda aumentam a imunidade. JZ me faz companhia durante o fim de semana enquanto meu marido está fazendo as pequenas tarefas de casa e me dá uma razão para sair da cama – afinal, ele precisa comer!
  3. Netflix: Quem segue meu blog sabe que eu adoro Netflix. Os dias de descanso são a ocasião perfeita para entrar de cabeça nos novos hits. Quem se sente sozinho tendo o elenco de Scandal para fazer companhia?

E você? O que você faz para estar conectado e afastar a solidão? Compartilhe suas dicas nos comentários!

*
Puja Rios
é empreendedora, consultora e diretora de vendas nos Estados Unidos. Vivendo com fibromialgia, ela decidiu compartilha sua experiência com a síndrome como forma de informar outros pacientes e o público em geral. Você a encontra no blog Me vs Fibro e no Facebook como FibroGirl

Deixe seu comentário!

Compartilhe conosco o que você achou desta matéria.

Deixe um comentário