Inspire-se: Aprenda a criar um plano individual de controle da dor

Que tal começar 2017 mais preparado para enfrentar a dor crônica? Criar um plano individual de controle da dor pode ser um ótimo passo para deixar claro suas metas e estratégias

plano individual de controle da dor

Como já dizia o poeta, se a dor é inevitável, o sofrimento é opcional. Atualmente existem inúmeras ferramentas que podem ajudar no controle da dor crônica. Uma delas, certamente, é o planejamento. O termo pode soar um tanto empresarial, mas planejar-se é uma ótima maneira de entender melhor o que está acontecendo com seu corpo, assim como de evitar que a dor lhe pegue desprevenido(a).

Como ensina a organização britânica Action on Pain, isso pode ser conseguido por meio de um plano individual de controle da dor. Abaixo explicamos passo-a-passo o que é o plano e como ele pode ajudar-lhe a ter um 2017 com menos dor.

O que é o Plano Individual de Controle da Dor

Não há receita mágica para se controlar a dor. Cada paciente tem suas individualidades e, por isso, a cada caso é preciso testar e avaliar quais são as técnicas que apresentam melhores resultados.

Controlar a dor é uma atividade para ser exercida todos os dias, continuamente, e que nem sempre será fácil de se fazer. Testar novas soluções e medir seus resultados são essenciais.

É aí que entra o Plano Individual de Controle da Dor: ele é uma maneira de descobrir como a dor de cada paciente “funciona”, identificando fatores que aumentam ou diminuem o incômodo, assim como permitindo criar estratégias para reagir às crises de dor.

Passo 1: Esclareça sua situação com seu(ua) médico(a)

Ter respostas as suas dúvidas é fundamental. Não tenha vergonha de conversar com seu(ua) médico(a) sobre as dúvidas em relação à doença e ao tratamento. Consulte também outras fontes de informação de qualidade, como livros, outros profissionais de saúde, organizações de suporte a pacientes de dor crônica. Informação é um ótimo remédio.

Passo 2: Mantenha um diário da dor

Anote o máximo o possível de informações sobre o que você sente durante as crises de dor crônica. Quando a dor começou? Onde você a sentiu? Como você a descreveria? Quão forte e duradoura ela é? O que você estava fazendo quando o incômodo surgiu? Que emoções estava sentindo? Estava tomando algum remédio?

Passo 3: Identifique com qual tipo de suporte você pode contar

Você tem amigos ou parentes que moram perto de você e que podem ajudar durante as crises de dor? Você conhece algum grupo de apoio a pacientes que possa ser contatado quando você precisa de ajuda? Tem à mão o telefone de um(a) médico(a) que pode lhe receber em caso de emergência?

Passo 4: Transforme toda a informação que você coletou em um plano

Com base em tudo o que você escreveu no diário comece a identificar padrões e usá-los no dia a dia. Por exemplo: você descobriu que nos dias em que faz caminhada, sente-se mais animado(a) e tem menos dores. Então, por que não incluir a caminhada entre suas atividades semanais? Ao determinar as ações de seu plano individual de controle da dor, seja realista e escolha aquilo que é mais efetivo – não aquilo que é mais fácil ou conveniente.

Passo 5: Faça um plano diversificado

Comece colocando na agenda as medicações que você precisa tomar e os horários em que você precisa lembrar-se de fazê-lo – manter os horários ajuda a identificar tanto os efeitos desejados quanto os efeitos colaterais da medicação. Vá então acrescentando outras atividades que que lhe ajudam a se distrair da dor, como hobbies e técnicas de relaxamento e meditação.

Passo 6: Tenha um plano emergencial para os momentos de crise

Mesmo prevenindo, os momentos de crise podem acontecer. Planeje o que fazer caso eles surjam. Há algum medicamento específico que você deve tomar para controlar a dor durante a crise? Alguma técnica que lhe ajuda a diminuir o incômodo?

Passo 7: Lembre-se de reservar boas horas para descansar

Dormir é fundamental quando se tem dor crônica. Crie uma rotina com um horário certo para ir para cama e cumpra-a mesmo que esteja encontrando dificuldades para cair no sono.

Passo 8: Cuide das suas emoções

Buscar a ajuda de um(a) terapeuta é recomendável sempre que o paciente está se sentindo irritado ou incapaz de lidar até mesmo com os pequenos problemas do dia a dia. Se você tem se sentido assim, adicione ao seu plano tempo para a terapia.

Passo 9: Estabeleça prioridades

Não tente fazer tudo de uma só vez. Defina quais são as ações prioritárias e determine prazos para iniciá-las. As chances de sucesso são maiores se você cumpre uma série de pequenas ações do que se tenta abraçar o mundo de uma só vez.

Passo 10: Não se esqueça de reconhecer os progressos

Viver com dor crônica não é fácil e você pode acabar tornando-se seu(ua) pior inimigo(a) caso insista em não aceitar a presença do problema. Lembre-se sempre de reconhecer os progressos feitos, ainda que eles pareçam pequenos.

Deixe seu comentário!

Compartilhe conosco o que você achou desta matéria.

Comentário:

  1. NELIO JOSE LENTINI DE ALMEIDA 10 meses ago

Deixe um comentário