Depressão pós-parto e dor: cientistas encontram relação entre as duas coisas

Dor durante ou após o parto, ansiedade e estresse aparecem ligados a maiores chances de desenvolvimento da depressão pós-parto, mostra estudo

depressão pós-parto e dor

Embora ainda pouco falada, a depressão pós-parto é realidade para uma a cada 10 mães. Os efeitos do problema afetam não apenas a saúde mental da mãe, mas também o desenvolvimento do bebê e o ambiente familiar. Os impactos são muitos: a depressão pós-parto limita a capacidade da mãe de interagir com seu(ua) filho(a) de maneira positiva, interferindo no modo como a criança se desenvolve cognitiva, comportamental e emocionalmente. Por tudo isso, entender o que torna a mulher mais predisposta ao problema é fundamental para agir de maneira preventiva.

E, de acordo com um estudo apresentado nesta semana no Congresso Anual dos Anestesiologistas, em Hong Kong, um dos fatores que aumenta as chances de desenvolver depressão pós-parto é a dor sentida pela mãe durante ou logo após o nascimento da criança.

“A maior vulnerabilidade à dor e ao estresse durante o nascimento do bebê (do início do trabalho de parto à saída da criança do útero da mãe), assim como a presença de dor persistente ou altos níveis de ansiedade no período pós-parto estão associados a maiores pontuações nos testes para diagnosticar a depressão pós-parto”, fala o professor e co-autor do estudo, o médico Ban Leong Sng, do KK Women’s and Children’s Hospital, em Cingapura.

Dor e depressão pós-parto

Para chegar aos resultados, o grupo de cientistas acompanhou 138 mulheres saudáveis que haviam recebido anestesia epidural durante o parto. O seguimento foi feito até dois meses após o nascimento de seus filhos. No período, eram realizadas entrevistas, nas quais elas respondiam a uma série de perguntas usadas para medir o estresse, a dor e a ansiedade.

A dor persistente, sentida pelas mães por mais de quatro semanas, mostrou ter uma relação alta com queixas relacionadas à depressão pós-parto. Da mesma maneira, altos níveis de ansiedade após o nascimento do bebê, assim como stress alto e muita percepção de dor durante o parto apareceram associados a maiores chances de depressão pós-parto.

“Os resultados mostram que é necessário lidar com a dor de maneira abrangente para reduzir o risco de desenvolvimento de depressão pós-parto”, diz o professor Sng. Diante dos achados, o mesmo grupo está agora realizando um segundo estudo, com mais mulheres e foco no impacto da dor sobre as mamães.

Deixe seu comentário!

Compartilhe conosco o que você achou desta matéria.

Deixe um comentário